(44) 3528-4993 / 3528-0024        atendimento@kspulverizadores.com.br
Blog - KS Pulverizadores - Sistema KS e Pulverizadores Autopropelidos
Pulverização: saiba a diferença entre os bicos para aplicação
0 Comentário

Pulverização: saiba a diferença entre os bicos para aplicação

Os bicos de pulverização são peças-chave na hora da aplicação. A escolha deve ser sempre da mesma marca, estarem limpos, ter os mesmos ângulos de abertura e vazão na aplicação de defensivos agrícolas e fertilizantes foliares nas lavouras. A escolha adequada desses itens é estratégica para que o produto seja aplicado de forma eficiente e os resultados em produtividade e qualidade sejam positivos.

Entre os tipos de bicos usados em pulverizadores, os quais dependem do nível tecnológico do produtor, do tamanho da propriedade e do tipo do equipamento de pulverização, entre outros fatores. Existem diversos tipos de bicos para pulverização, mas os principais são o leque ― cuja distribuição do líquido, conforme o nome sugere, se dá como um leque ― e o cônico, que tem padrão circular. Os dois são subdivididos em outros modelos que apresentam características diferentes e que impactam na trajetória e no tamanho das gotas. Por isso, é importante conhecer suas funcionalidades. Veja:

Tipos de bicos:
Tipo leque:  São usados para aplicação de herbicidas em área total. Operam melhor a pressão de 2 a 4 bar;

De impacto: Produzem jatos em forma de leque com ângulos de 110 a 140°. Podem trabalhar com pressão de 0,7 a 1,8 bar. Produzem gotas grandes. Recomendados para herbicidas sistêmicos a baixo volume;

Cone vazio: Inseticidas, fungicidas e dessecantes em culturas com grande massa foliar. Operam a pressão de 2 a 10 bar com ângulo de 70 a 80°. Produzem gotas muito pequenas.

Cone cheio: Herbicidas sobre o solo e sistêmicos. Operam a pressões de 1 a 3 bar com ângulo de 80°. Produzem gotas grandes;

Bico com injeção de ar: Para aplicação de produtos sistêmicos. Produzem gotas grandes com ar no seu interior.

Cuidados para aumentar vida útil:
Limpeza;
Pressão;
Filtros adequados.

Tamanho de gotas
Fator-chave para escolha de bicos:
Gotas finas: utilize em aplicações de produtos de contato, em pós-emergência que requerem excelente cobertura na superfície das folhas;
Gotas médias: utilize em aplicações de herbicidas sistêmicos e de contato, herbicidas em pré-emergência, inseticidas e fungicidas.
O tamanho das gotas irá variar de acordo com a pressão. Em geral, quanto menor a vazão do bico e maior a pressão, menor será o tamanho das gotas, e maior será a suscetibilidade à deriva. Bicos que produzem gotas grandes com alguns herbicidas sistêmicos podem ser usados para minimizar a deriva.

Quanto maior a vazão nominal do bico, maiores serão as gotas produzidas. Ângulos de abertura do leque maiores possuem gotas mais finas.

Pressão do pulverizador: Operar sempre na intermediaria

Pulverização adequada:
Bicos idênticos;
Volume de aplicação recomendado;
Velocidade média;
Espaçamento entre bicos;
Vazão;
Pressão.

Confira as vantagens de ter um pulverizador autopropelido
0 Comentário

Confira as vantagens de ter um pulverizador autopropelido

Com grandes lavouras em várias regiões do Brasil, o trabalho no campo tem de ser otimizado. Atualmente, a atividade agrícola brasileira é movida pela monocultura em grandes extensões de terra, principalmente, com o cultivo de soja e milho. No entanto, a produção em larga escala potencializa o surgimento de doenças, pragas e plantas daninhas. Situações como essas exigem aplicações de produtos fitossanitários para o controle.

Na busca de maior produtividade e menores custos, a produção agrícola incorpora tecnologias. No caso do sistema de aplicação de defensivo, os pulverizadores autopropelidos vêm ganhando espaço. Essas máquinas possuem alto rendimento operacional e a alta tecnologia em eletrônica de bordo para o preciso e total controle de pulverização.

O objetivo principal desse equipamento agrícola é aplicar produto fitossanitários durante ou quase todo o ciclo da cultura com velocidade operacionais entre 15 e 30km/h com alta produtividade e qualidade agrícola. O seu sistema de funcionamento baseia-se na aplicação de produtos químicos através de uma barra de comprimento variável, onde são presentes diversos bicos. Podemos citar como vantagens de se utilizar pulverizador autopropelido:

Vantagens do uso de pulverizador autopropelido
Maior precisão na pulverização;
Otimização de custos de produção e insumos;
Permite ser utilizado na agricultura de precisão;
Maior planejamento da atividade de pulverização;
Menor risco e maior conforto ao operador;
Maior rendimento operacional.
(fonte: Lavoura 10)

Clique aqui para conhecer o novo pulverizador Starker 1.500 da KS. Um dos melhores custo-benefício da categoria.  

Starker 1.500: pulverizador ideal para pequenos e médios produtores
0 Comentário

Starker 1.500: pulverizador ideal para pequenos e médios produtores

Com um dos melhores custos-benefícios da categoria, o novo pulverizador autopropelido Starker 1.500, da KS, é voltado ao pequeno e médio produtor rural. Além de economia e rentabilidade, a máquina possui toda a tecnologia embarcada necessária para uma excelente aplicação de defensivos. Com uma tração hidro 4x4, a máquina conta uma capacidade de 1.500 litros. Produtores de vários estados brasileiros estão apostando na marca para otimizar ainda mais seus trabalhos.

Com preço mais acessível, a máquina é leve (5.300 kg), forte e eficiente, além de soja, também é indicada para a aplicação de defensivo em plantação de cana de açúcar e de arroz, locais com terrenos mais acidentados. A linha Starker já possui, direto de fábrica, o Sistema de Estabilizador de Barras KS, uma exclusividade da empresa, que aumenta a vida útil das barras e mantem uniformidade na aplicação, sendo um opcional da categoria.

Pulverizador da KS possui o comprimento das barras de 21 metros por padrão, contando também com a opção de 24 metros. Além disso, com a capacidade de 1.500 litros, a máquina conta com uma cabine confortável e com ampla visibilidade. A tração é 4x4 em X com bombas hidráulicas, suspensão pneumática ativa, redutores de rodas e incorporador com painel de comando. “Um veículo com um peso mais leve e bem distribuído, o Starker 1500 registra baixo consumo de combustível, contando com ergonomia de trabalho excelente”, assegura um dos sócios-proprietários, Alexandre Kleinschmitt.

Clique aqui para saber mais sobre o Starker 1.500 

Programa Mais Alimentos
A Indústria KS conta com pulverizadores autopropelidos que podem ser financiados por meio do Programa Mais Alimentos. Todos os modelos da marca se enquadram nessa linha. Com juros menores, maior carência e outros benefícios, o Programa Mais Alimentos, do Pronaf, ajuda pequenos agricultores a financiar investimentos em infraestrutura produtiva da propriedade familiar.

Objetivo é combater a ferrugem-asiática Objetivo é combater a ferrugem-asiática
0 Comentário

Atenção, produtores: Vazio sanitário para soja vai começar

Período importante para evitar que o fungo causador da ferrugem da soja se multiplique durante o fim da entressafra, o Vazio Sanitário terá início no Paraná no dia 10 de junho e encerra no dia 10 de setembro. No estado do Mato Grosso do Sul, o período inicia em 15 de junho e segue até 15 de setembro.

Nesse intervalo é proibido cultivar, manter ou permitir a existência de plantas vivas de soja, emergidas, em qualquer estágio vegetativo. No Paraná outra exigência é a data de 15 maio do ano agrícola, o prazo final para a colheita ou interrupção do ciclo da cultura da soja. O fungo que causa a ferrugem-asiática é biotrófico, o que significa que precisa de hospedeiro vivo para se desenvolver e multiplicar. Ao eliminar as plantas de soja na entressafra "quebra-se" o ciclo do fungo, reduzindo assim a quantidade de esporos presentes no ambiente.

Essa é uma medida essencial para o manejo e controle da ferrugem asiática, principal praga que ataca a cultura. “A estratégia ajuda a diminuir a presença contínua de esporos do fungo causador da ferrugem no campo, principalmente na entressafra, pois ele permanece ativo em plantas vivas de soja, em plantas guaxas”, explica a engenheira agrônoma e fiscal de Defesa Agropecuária da Adapar, Marlene Soranso.

No Brasil, 13 estados e o Distrito Federal adotaram essa medida, estabelecida por meio de normativas. E, além do Brasil, o Paraguai também estabeleceu o período de vazio sanitário, lá chamado de "pausa fitossanitária". Quem fiscaliza o cumprimento do vazio no estado do Paraná é a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) e no Mato Grosso do Sul é a Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal (Iagro). Com visitas de rotina ou por meio de denúncias, os fiscais das agências averíguam a existência de soja e, se for o caso, geram processos administrativos, que podem resultar em multas.

Clique aqui para saber mais sobre o Vazio Sanitário.

Agricultor do Paraná: ‘Temos o Sistema KS há 10 anos; é uma perfeição’
0 Comentário

Agricultor do Paraná: ‘Temos o Sistema KS há 10 anos; é uma perfeição’

Rotineiramente, a equipe da KS Pulverizadores recebe vários depoimentos de produtores que adquiriram o Sistema Estabilizador de Barras. Em vídeos e fotos, os agricultores e operadores de máquinas relatam a excelente experiência que estão tendo com a tecnologia e aprovando a aquisição. Já são mais de 11 mil kits vendidos de norte a sul do Brasil.  

Projetado para evitar o efeito “chicote”, responsável por mais de 90% das quebras de barras e bicos, o Sistema KS também proporciona uma aplicação de defensivo uniforme, mesmo em terrenos irregulares. “Vim aqui hoje para falar um pouco sobre o Sistema KS. Faz 10 anos que temos nas nossas máquinas. Trabalhamos em terrenos com curvas. Pensa em um sistema que funciona! O Kit é completo. Hoje, estou usando em autopropelido da Stara, modelo Gladiador, e passando em uma área de erosão e esse equipamento consegue atender perfeitamente a aplicação adequada. Vocês que têm autopropelido, podem instalar. É uma perfeição”, relata o produtor de Jesuítas (PR), Pedro Furlan. Clique aqui para ver o vídeo.

De acordo com os sócios-proprietários da empresa, a “missão do Sistema KS é atender às necessidades de nossos clientes, agricultores e operadores de máquinas, aprimorando pulverizadores para uma agricultura de precisão, além de proporcionar conforto, agilidade e maior rentabilidade no processo de pulverização”, asseguram.

Clique aqui para saber mais sobre o Sistema KS.

Sistema KS: economia de defensivo e de tempo na pulverização
0 Comentário

Sistema KS: economia de defensivo e de tempo na pulverização

Os benefícios do Sistema de Estabilização de Barras KS vão além de proporcionar uma aplicação uniforme e de evitar o efeito chicote. A tecnologia também contribui na economia de defensivo e na otimização do tempo na aplicação, do início ao fim do ciclo da soja, mesmo com a planta já em porte alto. O Sistema KS também colabora para um aumento vida útil do sistema hidráulico do pulverizador

Muito comum no Paraná, as curvas de nível interferem muito nas operações agrícolas, em especial na pulverização. Em uma lavoura em Assis Chateaubriand, os pulverizadores só entram se estiverem com os estabilizadores de barras da KS. "Até já me esqueci das dificuldades que eu tinha antes. Já são mais de 12 anos de tranquilidade", diz o agricultor Walter Koschinski.

Produtor de soja e milho, o agricultor instalou o primeiro kit da KS em pulverizador de arrasto da propriedade. Depois vieram os autopropelidos e a exigência de ter o kit KS foi mantida. É a garantia de fazer uma boa aplicação em uma área em que o pulverizador é mais exigido. "O Sistema KS nos traz uma economia de tempo e de produto", assegura Koschinski.

A economia, segundo o produtor, com um pulverizador com barra de 30 metros, varia entre 15% e 25%, dependendo da área. "Não perdemos passadas, trabalhando com barra aberta total; não precisa virar no meio do ‘talhão’. Depende muito da área e a quantidade de curva. A soja pode estar alta que isso não interfere no serviço”, conclui o agricultor.

Clique aqui para saber mais sobre o Sistema KS.