(44) 3528-4993 / 3528-0024        atendimento@kspulverizadores.com.br
Blog - KS Pulverizadores - Sistema KS e Pulverizadores Autopropelidos
Sistema KS será apresentado na Tecnoshow 2022
0 Comentário

Sistema KS será apresentado na Tecnoshow 2022

Na próxima semana, de 4 a 8 de abril, os produtores goianos poderão conhecer de perto as novas tecnologias e equipamentos que fazem a diferença no trabalho no campo. Durante a Tecnoshow Comigo, em Rio Verde (GO), a KS Pulverizadores contará com um estande no Centro Tecnológico, onde será realizado o evento.

A Tecnoshow deste ano contará com uma extensa vitrine de tecnologias para o homem do campo, seja ele pequeno, médio ou grande produtor. A diversidade é uma marca registrada do evento. Máquinas e equipamentos agropecuários, plots agrícolas, animais das mais variadas espécies, palestras técnicas e econômicas, educação ambiental (através do Espaço Ambiental) e dinâmicas de máquinas são alguns atrativos.

Com condições especiais preparadas para a Tecnoshow 2022, a KS Pulverizadores vai apresentar aos visitantes o exclusivo Sistema de Estabilização de Barras de Pulverizadores, um produto testado e aprovado por mais de 11 mil produtores de norte a sul do Brasil.

O Sistema KS funciona por meio de válvulas hidráulicas sob pressão. O equipamento alivia o peso das barras, evitando o “efeito chicote”. A instalação é possível em máquinas de todas as marcas, sem alterar as características originais. Com a tecnologia, as barras do pulverizador trabalham totalmente de forma automatizada. A tecnologia mantém a pulverização uniforme, mesmo em terrenos irregulares e em velocidades maiores. Tudo isso para facilitar o processo de pulverização na lavoura, mantendo a qualidade de forma rápida e prática.

Clique aqui para saber mais sobre o Sistema KS.

A feira é realizada no Centro Tecnológico COMIGO (CTC), localizado no Anel Viário Paulo Campos, km 7, em Rio Verde, Goiás. Clique aqui para conferir a programação completa da Tecnoshow 2022.

KS
A KS Pulverizadores é uma empresa que está no mercado há 24 anos, sempre buscando aperfeiçoar e inovar, desenvolvendo melhorias e ferramentas para o trabalho do homem do campo. A KS Trabalha ao lado do agricultor no desenvolvimento e produção dos pulverizadores, além da fabricação de pulverizador autopropelido e o Sistema KS, que controla automaticamente a altura das barras de pulverização, a empresa também atua no setor de peças e serviços.

Crédito da foto: Assessoria/Tecnoshow Comigo

Sistema KS: Barras da sua máquina na altura certa para pulverização
0 Comentário

Sistema KS: Barras da sua máquina na altura certa para pulverização

Manter uma pulverização uniforme pode ser o desafio para muitos produtores de norte a sul do Brasil. Terrenos com topografia irregular pode atrapalhar e atrasar ainda mais esse trabalho. Para manter as barras sempre na altura ideal de aplicação, mesmo com a cultura já em estágio maior, o Sistema KS é uma das opções disponíveis no mercado, sendo compatível com os mais diversos modelos e marcas de pulverizadores, sem alterar as características originais das máquinas.

Além de evitar o chamado "efeito chicote", a tecnologia desenvolvida pela KS Pulverizadores proporciona conforto ao operador e permite a pulverização de mais hectares por dia em todos os terrenos. "A gente tinha um grande problema, com a quebra de barras, além de uma aplicação ruim. O trabalho era feito mais devagar, em função disso. Mas, hoje, depois que começamos a usar o Sistema KS, praticamente não aconteceu mais esses problemas. Só tivemos benefícios e agilidade. O que antes eu fazia em uma hora e meia, hoje realizo em uma hora, no máximo. Em áreas maiores, consigo um maior rendimento por dia, aplicando sempre na mesma altura", revela o produtor gaúcho de Três de Maio (RS), Diego Rossi.

Com o kit de estabilizadores de barra da KS, a operação ganhou muito mais qualidade. Assim definiu o produtor Rodrigo Cadelca, após investir na tecnologia. "Ficou perfeito depois do kit; muito bom! Agora é bem uniforme a aplicação. Não temos mais quebras; barras não pegam mais no chão", ressalta o produtor.

O equipamento em funcionamento alivia o peso das barras, deixando praticamente nulo, por meio de um sistema 100% hidráulico. Para manter uma altura exata de pulverização é instalado um garfo com roda em cada barra, que tem por simples finalidade a regulagem de altura, projetadas para não causar danos na plantação. O Sistema KS de Estabilização de Barras mantém a pulverização uniforme, mesmo em terrenos irregulares e em velocidades maiores. Tudo isso para facilitar o processo de pulverização na lavoura, mantendo a qualidade de forma rápida e prática.

Clique aqui para saber mais sobre o Sistema KS.

10 dicas para reduzir a deriva durante a pulverização agrícola
0 Comentário

10 dicas para reduzir a deriva durante a pulverização agrícola

A importância de manter as aplicações de defensivos agrícolas no alvo continua na vanguarda das mentes dos produtores, bem como das pessoas vizinhas às propriedades. Certificar-se de que o produto permaneça no alvo pretendido é fundamental para a saúde da planta e das pessoas ao redor da área. Como a maioria já sabe, o vento muitas vezes pode atrapalhar seus planos de pulverização. Tenha em mente que os objetivos de qualquer aplicação de pulverização são equilibrar produtividade, eficácia e evitar a movimentação de defensivos para fora do local. Também é um desafio encontrar um intermediário funcional entre controlar a deriva e não sacrificar a cobertura e eficácia de herbicidas (ou outros protetores de cultivos). Qualquer alteração feita no sistema de pulverização (por exemplo, seleção de bicos, velocidade do solo, pressão, diferentes formulações de pesticidas, adjuvantes, etc.) pode prejudicar a sua eficácia. Abaixo estão várias coisas a serem consideradas para ajudar a manter o produto no alvo.

1- Pulverize em baixas velocidades de vento (3 a 10 mph)
Em geral, os ventos são menos problemáticos no início da manhã ou no final da noite. Leia o rótulo com atenção. Por exemplo, os novos rótulos de produtos dicamba (por exemplo, Engenia, Xtendimax, etc.) exigem aplicações uma hora após o nascer do sol até duas horas antes do pôr do sol para ajudar a reduzir os problemas de deriva, enquanto o rótulo Liberty (glufosinato) recomenda que seja melhor aplicar entre o amanhecer e 2 horas antes do pôr do sol para o controle ideal de ervas daninhas.

2 - Reduza as pressões de pulverização
Pressões mais baixas permitem tamanhos de gotas maiores. Esteja ciente de que os bicos podem produzir diferentes tamanhos de gotas em diferentes pressões. Assim, um bocal pode produzir gotas médias em baixa pressão, mas gotas finas em pressões mais altas. No entanto, alguns dos novos bicos redutores de deriva são projetados para exigir pressões mais altas para melhor cobertura de pulverização, mas ainda produzem menos deriva do que outros tipos de bicos. Na maioria dos casos, herbicidas de contato como Gramoxone, Liberty, Reflex, Cadet, etc. devem ser aplicados através de bicos que produzem gotas médias a grossas, portanto, alguns dos bicos de redução de deriva mais recentes podem não fornecer a melhor cobertura de pulverização para controle eficaz de ervas daninhas. No entanto, aumentar o volume de pulverização pode ajudar a melhorar a cobertura.

3 - Selecione os bicos adequados com gotas de pulverização grossas
Existem várias empresas que fabricam bicos projetados para reduzir a deriva. Alguns exemplos incluem AI, AIXR e TTI da TeeJet; e o TurboDrop XL e Hypro Ultra Low Drift da Greenleaf Technologies. É claro que, depois de selecionar o bico adequado, a velocidade, a pressão e a saída adequadas devem ser determinadas e alcançadas.

4 - Use alturas de barra de pulverização mais baixas
Certifique-se de usar bicos com ângulo de pulverização de 110 graus ou mais. Isso permitirá que a barra seja abaixada mais do que os bicos com ângulos menores, mas garantirá que o padrão de pulverização e a sobreposição adequada sejam mantidos. Em geral, para uma barra com espaçamentos de bicos de 20 polegadas, mantenha uma altura de barra de 24 polegadas ou menos acima do dossel da cultura.

5 - Reduza a velocidade de deslocamento do pulverizador (menos de 10 mph)
Velocidades mais rápidas farão com que a barra salte e o vórtice de pulverização ocorra, enviando gotas de pulverização mais altas no ar.

6 - Use retardadores de deriva
Existem muitos bons produtos no mercado para esta finalidade. No entanto, alguns não são compatíveis com certos tipos de bicos redutores de deriva.

7 – Direção do vento
Pulverize quando a direção do vento estiver longe de culturas sensíveis, casas, etc.

8 – Temperatura e umidade do ar
As condições climáticas no momento da aplicação são fundamentais para um melhor resultado do produto, sendo temperatura inferior a 30°C, umidade do ar acima dos 60% e ventos abaixo dos 10 km/h. Essas condições ocorrem antes das 10h da manhã e após as 16h. O tamanho das gotas é outro fator que demanda atenção, que depende do tipo de ponta, vazão, pressão, ângulo do jato e propriedade do líquido pulverizado.

9 - Invista em pulverizadores de alta tecnologia
Os pulverizadores autopropelidos são máquinas agrícolas de alto desempenho que realizam a aplicação de defensivos agrícolas de maneira eficiente e assertiva. Contando com motor e transmissão próprios, trabalha de maneira independente. Com ganho nos trabalhos, o uso do autopropelido reduz o custo por hectare da operação agrícola, pois fazem a aplicação dos defensivos agrícolas em áreas maiores em menor tempo.

Além de contar com os pulverizadores com um dos melhores custos-benefícios do Brasil, a linha Starker da KS Pulverizadores possui toda a tecnologia embarcada necessária para otimizar os resultados na aplicação de defensivos em larga escala. Clique aqui para saber mais.

10 – Sistema KS
O Sistema KS se torna uma ferramenta indispensável para a realização da agricultura com precisão. O kit proporciona uma aplicação uniforme, com mais precisão no alvo a ser atingido, além na redução da deriva de defensivo.

O aparelho hidráulico é instalado na parte traseira do pulverizador. A tecnologia deixa as barras automatizadas. Após a regulagem, o peso fica praticamente nulo, evitando o efeito “chicote”, que é um dos grandes responsáveis pela quebra e entorta de barras e bicos. Com isso, aumenta-se a velocidade de aplicação, mesmo em terrenos com topografia irregular.
A tecnologia da KS é compatível com as principais marcas e modelos de pulverizadores do mercado, sem alterar as características originais da máquina.  O Sistema KS colabora para um aumento vida útil do sistema hidráulico do pulverizador. Clique aqui para saber mais. 
Com informações da Penn State Extension - Faculdade de Ciências Agrárias.

Sistema KS proporciona uma aplicação constante
0 Comentário

Sistema KS proporciona uma aplicação constante

No trabalho de pulverização agrícola, vários obstáculos podem surgir pelo caminho, como as curvas de nível. Em terrenos com uma topografia muito irregular, a atividade pode se tornar ainda mais lenta. Isso acontece porque o operador teme de ocorrer o "efeito chicote", quando as barras do pulverizador podem vir a se chocarem contra o solo, causando quebras e entortas, um grande prejuízo. Para manter uma aplicação constante, milhares de produtores investiram no Sistema KS, um aparelho hidráulico que é instalado na parte traseira do pulverizador, seja ele autopropelido ou de arrasto. Quando em funcionamento, a tecnologia exclusiva da KS Pulverizadores alivia o peso das barras, deixando-o praticamente nulo.

Uma maior uniformidade e precisão da altura das barras com o solo. Entre os benefícios em usar o Sistema KS está o ganho de velocidade durante os trabalhos de pulverização, com qualidade e aplicação sem falhas, evitando manchas de ervas daninhas. A tecnologia também contribui na economia de defensivo e na otimização do tempo na aplicação, do início ao fim do ciclo da soja, mesmo com a planta já em porte alto.

O Sistema KS colabora para um aumento vida útil do sistema hidráulico do pulverizador. Para milhares de operadores de máquina, o equipamento foi um divisor de águas nos trabalhos de pulverização nas propriedades. “Antes, a gente tinha que ficar de olho toda hora na barra, para ver se estava pegando no chão. Agora, não tem mais perigo em terrenos irregulares”, garante Josimar Peritti.

A tecnologia em conjunto com a rodas ajudam a manter a barra estável mesmo em terrenos irregulares, com curvas de nível, por exemplo. As barras podem ser reguladas na altura que for preciso e os bicos podem trabalhar livremente, garantindo, inclusive, a abertura de leque ideal para que o alvo seja atingido. As características originais da maquina não são modificadas.

Clique aqui para saber mais sobre o Sistema KS.

Conheça práticas de gestão para pulverização agrícola
0 Comentário

Conheça práticas de gestão para pulverização agrícola

Os defensivos agrícolas precisam ser aplicados com precisão e uniformidade. Muito pouco produto resulta em controle de pragas deficiente e rendimentos reduzidos, enquanto muito prejudica a colheita, desperdiça produtos químicos e dinheiro, aumentando o risco de poluir o meio ambiente. Alcançar resultados satisfatórios com agroquímico depende muito de cinco fatores principais:

 1 - Identificação positiva da praga;

2 – Escolher o defensivo menos persistente e de menor toxicidade que funcionará;

3 - Selecionar o equipamento certo, particularmente o tipo e tamanho certo de bico para o trabalho;

4 - Aplicação de pesticidas com precisão no momento certo;

5 - Calibrar e manter o equipamento para garantir que a quantidade recomendada no rótulo do produto químico seja aplicada. 

Melhores práticas de gestão para pulverização eficaz
A seguir listamos recomendações gerais, ou etapas a serem seguidas, para ajudar os produtores a obter maior precisão e eficiência na aplicação de defensivos líquidos usando pulverizadores de tipo barra. Os operadores devem estar bem informados sobre as recomendações específicas para um determinado defensivo.

LEIA O RÓTULO DO PRODUTO PARA RECOMENDAÇÕES/REQUISITOS ESPECÍFICOS
Identifique qualquer especificação do pulverizador, bico, espaçamento do bico, ângulo do padrão do bico, velocidade de deslocamento, altura de liberação do pulverizador ou outros fatores do equipamento do pulverizador listados na etiqueta.

TAXAS DE APLICAÇÃO DE PULVERIZAÇÃO
Essas informações ajudam a determinar as taxas de vazão do bico em grande parte e, portanto, influenciam o tipo, tamanho, número e pressão de operação do bico.

CLASSIFICAÇÃO DE PULVERIZAÇÃO/TAMANHOS DE GOTÍCULAS
Para reduzir a deriva da pulverização, os rótulos mais recentes indicam o tamanho mínimo de gota necessário como uma categoria de classificação de pulverização (ou seja, muito fina, fina, média, grossa, muito grossa, extremamente grossa). O aplicador seleciona um bico com base na classificação do bico do fabricante para corresponder ao requisito de classificação do rótulo para o tamanho da gota. Alguns rótulos indicam a classificação mínima de tamanho de gota necessária correspondente às zonas tampão ou à distância de áreas sensíveis.

AGITAÇÃO DO PRODUTO
A agitação insuficiente pode ser um problema com tanques grandes ou de formato irregular. Esse problema é mais grave ao aplicar pesticidas do tipo pó molhável. Se houver "pontos mortos" ou cantos afiados no tanque, e se a agitação não for suficiente para um determinado tanque, os pós molháveis ​​podem se depositar no fundo. Em outros casos, pesticidas secos podem flutuar na superfície por muito tempo antes que uma concentração uniforme de pesticida no tanque seja alcançada. Como resultado, a mistura pulverizada pode ter quantidades variáveis ​​de ingrediente ativo em momentos diferentes durante a operação de pulverização.

ADJUVANTES
Muitos rótulos de produtos especificam o uso de adjuvantes específicos para fornecer boa eficácia do produto, influenciar o tamanho das gotículas ou a taxa de evaporação da solução, reduzir a deriva e melhorar o depósito e a retenção no alvo.

INSPEÇÃO GERAL DO PULVERIZADOR
Examine cuidadosamente os componentes do pulverizador (tanque, bicos, mangueiras, manômetro, bomba, etc.) com aumento de pressão. Certifique-se de que nenhum vazamento esteja ocorrendo em qualquer lugar do sistema de pulverização. Os manômetros devem retornar a zero quando a pressão estiver desligada. Verifique o sistema de agitação do tanque para garantir que o fluxo para o tanque para agitação seja suficiente e eficaz. Verifique a pressão dos pneus. A pressão de apenas alguns psi podem causar variações na velocidade de deslocamento, o que afetará diretamente a taxa de aplicação. Se o pulverizador estiver equipado com um controlador automático de taxa e pressão de pulverização, a operação do controlador, as configurações da válvula e a programação devem ser compreendidas e concluídas adequadamente.

ESPAÇAMENTO DO BOCAL
O equipamento de aplicação geralmente vem configurado com um espaçamento de bico específico que é típico para o tipo de pulverização a ser realizada (ou seja, pulverizador de cultura em linha, flutuador, etc.). Escolha a configuração do equipamento recomendada para obter os melhores resultados (bandas, difusão, pulverização direcionada, etc.). Os bicos selecionados podem ser desativados ou o espaçamento do bico pode ser modificado para certas aplicações com base na cultura, taxa de aplicação da pulverização, altura de liberação, taxa de fluxo do bico e ângulo do padrão. O espaçamento do bocal pode variar de 10 a 60 polegadas em muitas aplicações. Os limites no espaçamento dos bicos devem ser considerados na seleção dos bicos e sua disposição.

FAIXA DE PRESSÃO DE PULVERIZAÇÃO
A pressão de pulverização afeta o desempenho de um pulverizador de bico hidráulico de várias maneiras. Altera a taxa de aplicação e o tamanho das gotículas. Geralmente, a pressão operacional para um pulverizador de barra típico varia de 15 a 80 psi. A maioria dos bicos tende a produzir um volume maior de pulverização em gotas mais finas em pressões operacionais mais altas. A pressão prática mais baixa que fornecerá cobertura e eficácia adequadas deve ser escolhida para reduzir a deriva. Um medidor de pressão de boa qualidade e preciso deve ser usado e deve ser conectado à barra (mas pode estar em uma linha remota dedicada da barra) para que a pressão real da barra seja registrada. A pressão real usada para fornecer o spray é determinada pelas especificações da bomba e é definida por meio de regulador de pressão ou controle de fluxo de desvio.

VELOCIDADE DO PULVERIZADOR
A velocidade do pulverizador desempenha um papel fundamental na obtenção da taxa de aplicação desejada. Todos os pulverizadores ou tratores têm um limite superior na velocidade de deslocamento e muitos têm várias faixas de velocidade discretas que podem não permitir que o operador atinja uma velocidade de deslocamento específica. A faixa de velocidades possíveis do pulverizador determinará parcialmente a vazão necessária dos bicos para a taxa de aplicação selecionada. Uma velocidade de deslocamento mais alta exigirá uma taxa de fluxo de bico mais alta para atingir uma determinada taxa de aplicação e, inversamente, uma taxa de fluxo de bico mais alta pode permitir que velocidades de deslocamento mais altas atinjam uma taxa de aplicação especificada sob condições semelhantes. No entanto, a velocidade de deslocamento mais alta aumenta a turbulência aerodinâmica e a instabilidade da lança, o que pode fornecer maior oportunidade para gotas menores serem transportadas pelo vento ou correntes ascendentes térmicas,

FAIXA DE ALTURA
A altura da barra, o ângulo do padrão de pulverização do bico e o espaçamento dos bicos influenciam a sobreposição e a uniformidade da aplicação de pulverização. A altura adequada deve ser mantida em todas as seções da lança. Não há problema em usar uma fita métrica em vez de adivinhar a altura. A altura da barra afeta a sobreposição do padrão de pulverização, a uniformidade de deposição no alvo e o tempo durante o qual as gotas ficam expostas ao vento e à evaporação, os quais influenciam diretamente à deriva. A altura de liberação da pulverização deve ser mínima para reduzir a deriva e deve ser consistente com as recomendações do fabricante do bico. A rugosidade do terreno, a dinâmica da barra e a instabilidade também influenciam a altura efetiva de liberação da pulverização. Para obter uma cobertura satisfatória e reduzir a deriva, considere um comprimento de lança e velocidade de deslocamento apropriados para o terreno.

TIPOS DE BICOS DISPONÍVEIS
Uma grande variedade de bicos está disponível para diferentes aplicações. Taxa de aplicação, padrão de pulverização e requisitos de tamanho de gota podem influenciar a seleção do tipo de bico. O tipo de bico deve incluir um bico específico que seja capaz de fornecer a vazão necessária para atingir a taxa de aplicação desejada com as configurações selecionadas do equipamento. Monte os bicos firmemente em suas posições. Use bicos idênticos em todas as posições. Os bicos de linha de cerca podem ser uma exceção.

FAIXA DE PRESSÃO DE PULVERIZAÇÃO
Um tamanho de bocal específico pode fornecer diferentes taxas de fluxo com base na pressão de operação. A seleção de um tamanho de bico que fornecerá a vazão especificada a uma pressão operacional mais baixa geralmente tenderá a reduzir o desvio para uma determinada configuração de equipamento e ambiente operacional.

ESCOLHA O TIPO E TAMANHO DE BICO ESPECÍFICO
Em seguida, selecione o tamanho específico do bico de injeção. Uma revisão preliminar das faixas de vazão da ponta do bico já foi realizada e um bico do tipo desejado está disponível em um tamanho apropriado. A seleção do tipo e tamanho da ponta é baseada em sua capacidade de fornecer a vazão necessária para a configuração do equipamento e produzir o padrão adequado e a classificação do espectro de gotículas de acordo com os requisitos da etiqueta.

CALIBRE O PULVERIZADOR
A calibração é a única maneira de determinar se um pulverizador está realmente aplicando um produto químico na taxa recomendada. Por segurança, calibre apenas com água como solução de pulverização. Existem vários procedimentos de calibração, que estão disponíveis nos fabricantes de equipamentos de bicos ou pulverizadores.

VERIFIQUE A PRESSÃO
Manter a pressão desejada no bico é essencial para atingir a vazão desejada. A leitura de pressão vista em um controlador de taxa de pulverização ou no medidor próximo à válvula de alívio de pressão geralmente indica pressão mais próxima da bomba, não no bico. Portanto, um segundo manômetro deve ser usado para verificar a pressão no bico. Sempre haverá alguma queda de pressão entre a bomba e os bicos, mas isso pode ser minimizado com mangueiras de tamanho adequado no pulverizador.

VERIFIQUE A VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO
A velocidade do solo é outro fator importante que influencia a taxa de aplicação. Dobrar a velocidade de deslocamento de um pulverizador reduz a taxa de aplicação pela metade. Reduzir a velocidade de deslocamento pela metade dobra a taxa de aplicação. Vários fatores podem fazer com que sua velocidade de viagem varie. Para determinar a velocidade real do solo, meça uma distância no campo e dirija essa distância em sua velocidade normal de pulverização. Registre o tempo de viagem em segundos. Para determinar a velocidade de viagem em milhas por hora, divida a distância em pés pelo tempo em segundos e multiplique o número resultante por 0,68. Por exemplo, se a distância percorrida for de 205 pés e o tempo de viagem for de 20 segundos, a velocidade de viagem será de aproximadamente 7 milhas por hora. Meça a velocidade de deslocamento no campo onde a pulverização será feita. Deslizamento dos pneus, que varia de acordo com as condições da superfície,

VERIFIQUE A UNIFORMIDADE
Mantenha a deposição uniforme do material de pulverização no alvo ao longo da barra. A uniformidade da deposição é muitas vezes tão importante quanto o valor depositado. A cobertura não uniforme pode resultar de motivos simples, como o uso de bicos desalinhados ou entupidos, o uso de bicos com diferentes ângulos de leque ou a altura desigual do bico ao longo da barra. Esses problemas comuns resultam em estrias, áreas não tratadas ou aplicação excessiva de produtos químicos. Um modelador portátil pode ser usado para verificar a uniformidade da pulverização.

MISTURA DE PRODUTOS QUÍMICOS
Se uma mistura de dois ou mais defensivos deve ser pulverizada, deve-se estar ciente do risco de criar resultados indesejáveis ​​quando esses produtos são misturados no tanque do pulverizador ou na tremonha de indução. Mesmo que os produtos sejam compatíveis entre si, ainda podem ocorrer resultados indesejáveis ​​se não forem misturados em uma ordem específica. Esses resultados indesejáveis ​​podem incluir: a) aumento súbito da densidade e/ou viscosidade da mistura do tanque impossibilitando a pulverização, b) redução da eficácia biológica devido ao antagonismo dos produtos, c) separação no tanque. A maioria dos rótulos de pesticidas fornece informações detalhadas sobre a compatibilidade e a sequência de mistura de um determinado pesticida quando misturado com outros produtos.

LIMPEZA E PH DA ÁGUA
Use apenas água que pareça limpa o suficiente para beber. A maioria dos problemas com pulverizadores pode ser atribuída a materiais estranhos na água. Eles obstruem as telas e desgastam bicos e bombas. Qualquer água bombeada de valas, lagoas ou lagos deve ser filtrada antes de encher o tanque. Tome as precauções necessárias para garantir que essas fontes de água não sejam contaminadas devido ao refluxo ou transbordamento do pulverizador.

O pH da água pode alterar o nível de eficácia e a estabilidade de alguns produtos químicos. Verifique o rótulo do produto químico e tome precauções para alterar o nível de pH da água para o recomendado pelo produto químico.

DETERMINE O MOMENTO MAIS EFICAZ PARA PULVERIZAR
O uso de defensivos pode não ser economicamente justificado devido ao baixo nível de infestação de pragas no campo. Observe a área alvo e considere os níveis de limite de pragas antes de pulverizar. Se as condições não justificarem a aplicação de pesticidas, espere até o momento em que o defensivo aplicado fornecerá o mais alto nível de controle ou considere apenas pulverizar manchas infestadas. Pulverizar manchas pode ser mais fácil para ervas daninhas do que para insetos e doenças.

REDUZA A DERIVA DA PULVERIZAÇÃO
A deriva de pulverização é responsável por cerca de 75% de todos os casos de não conformidade investigados pelo Departamento de Agricultura de Ohio (EUA). A deriva nunca pode ser completamente eliminada; no entanto, pode ser reduzido ao mínimo se os pesticidas forem aplicados em condições climáticas favoráveis ​​e adotando estratégias comprovadas de redução da deriva.

MANTENHA REGISTROS
Os aplicadores de pesticidas agora são obrigados a registrar a velocidade e a direção do vento. O registro de informações adicionais, como tipo e tamanho dos bicos usados, pressão de pulverização, temperatura e umidade relativa, pode desempenhar um papel fundamental no resultado do litígio relacionado à deriva. Salve registros de pulverização do controlador de pulverizador e informações de GPS quando possível. 
Com informações de Extensão da Universidade Estadual de Ohio - Ohioline

 

Eleve a performance da sua pulverização com o Sistema KS
0 Comentário

Eleve a performance da sua pulverização com o Sistema KS

Compatível com a maioria das marcas de pulverizadores do mercado, o Sistema de Estabilização de Barras da KS foi a solução encontrada por milhares de produtores de norte a sul do Brasil para evitar o "efeito chicote" durante os trabalhos de pulverização, além de acelerar as passadas principalmente em terrenos de topografia irregular.

Sem alterar as características da máquina, o equipamento hidráulico é instalado na parte traseira do pulverizador, deixa o peso das barras praticamente nulo. Para manter uma altura exata de pulverização é instalado um garfo com roda em cada barra, que tem por simples finalidade a regulagem de altura, projetadas para não causar danos na plantação. O Sistema KS de Estabilização de Barras mantém a pulverização uniforme, mesmo em terrenos irregulares e em velocidades maiores. Tudo isso para facilitar o processo de pulverização na lavoura, mantendo a qualidade de forma rápida e prática.

Com instalação fácil, o aparelho é interligado por mangueiras. O óleo vem do pistão hidráulico da máquina e entra no Sistema KS, fazendo o óleo circular por dentro das válvulas, equilibrando o peso das barras, deixando-o praticamente nulo. “A partir do momento em que o Sistema KS nivela a barra e a deixa estabilizada, conseguimos um melhor resultado em relação à altura da lavoura", garante o produtor rural José Augusto Martins dos Santos, de Herculândia (SP).

A tecnologia também contribui na economia de defensivo e na otimização do tempo na aplicação, do início ao fim do ciclo da soja, mesmo com a planta já em porte alto. O Sistema KS colabora para um aumento vida útil do sistema hidráulico do pulverizador. Para milhares de operadores de máquina, o equipamento foi um divisor de águas nos trabalhos de pulverização nas propriedades. “Antes, a gente tinha que ficar de olho toda hora na barra, para ver se estava pegando no chão. Agora, não tem mais perigo em terrenos irregulares”, garante Josimar Peritti.

Clique aqui para saber mais sobre o Sistema KS.